(35) 3435-1611 (35) 98863-5371
Sindicato

Mulheres e Suas Profissões - Gari

Sem título-2

Mulheres e suas profissões

  Entrevistada: Raquel Gomes Profissão: Gari

 

1- Porque você escolheu esta profissão? Eu já tentei várias profissões, mas nesta me sinto bem porque tenho mais sossego e liberdade para trabalhar. Me divirto muito.   2- Você encontrou dificuldade na sua profissão por ser mulher? Na profissão de gari tem muita gente que discrimina ainda, porque muitos negam uma água, vê a gente como um lixo e não deveria ser assim.   3- Você quer dizer que as pessoas em geral não veem os garis como pessoas? Sim. Tem nojo, dão um copo de água para você meio assim (com receio). Nem todos, mas alguns, é meio estranho do jeito que tratam e pensam que somos mendigos, entende? Não veem nos como pessoas.   4- Mas você acha que isto só acontece à mulher gari ou o homem gari também? Eu acho que os dois. Não é só a mulher, mas no caso da mulher, há homens que vem com piadinhas e não nos respeita.   5- Os homens que você fala são os homens em geral? Sim. Acham que por ser uma gari que está varrendo a rua, se sentem na liberdade de oferecerem um dinheiro para falarem o que quiserem e não é assim. Em sua maioria, estão ali para labutar para ter o seu pão e cuidar de seus filhos. É ruim isto, é uma luta constante trabalhar na rua, mas a gente vence.   6- Qual a visão que você tem da mulher no mundo de hoje? A mulher tem que caminhar muito, mas só agora que estamos tendo casos grandes (bem sucedidos), coisa que no passado a gente não tinha. A mulher ainda labuta para ter o seu espaço, que é um direito nosso e estamos dispostas para o que vier.   7- Você acha que a mulher já conquistou o seu espaço seja no trabalho ou na sociedade? Estamos chegando lá.   8- E o que falta? Temos que lutar bastante, estamos a cada dia tentado se encaixar (na sociedade). Têm muitas que já se encaixaram (conquistaram seu espaço), mas têm muitas que ainda sofrem com o preconceito, como no meu caso que queria trabalhar como ajudante de pedreiro – já trabalhei como ajudante de pedreira –, mas eu não consegui me manter na profissão porque muitos não aceitam por eu ser mulher.   9- E você acha que este tipo de preconceito é mais dos homens ou as mulheres também têm? Sempre são mais os homens. Está ali um pedreiro, um servente homem, chega eu mulher, mesmo sabendo do meu esforço numa vaga que eu poderia acrescentar no meu salário, jamais vão me encaixar em comparação a um homem. Se um homem for mais liberal em certas coisas, (mais consciente, sem preconceito), ele te encaixa mesmo, mas a maioria não deixa, acha que é muito para mulher, acha que é muito pesado.   10- Qual a sua opinião para que a mulher conquiste mais o seus direitos? Lutar, lutar sempre, porque este espaço é nosso também.