A Federação dos Metalúrgicos da CUT de Minas Gerais (FEM/CUT-MG) realizou a VI Plenária Ordinária, nos dias 24 e 25 de fevereiro, em Belo Horizonte.

Este ano a plenária teve como tema “Metalúrgicos Unidos Contra Retirada de Direitos”. Este tema foi pensado como forma de mostrar para os trabalhadores o papel de cada um contra o retrocesso nos direitos trabalhistas e sociais que se apresentam neste início de ano.

Participaram da plenária lideranças e dirigentes de todos os sindicatos filiados a Federação. Também estiveram presentes a presidente da CUT-MG, Beatriz Cerqueira, o professor Eugênio Pasqualini, o Professor da UFMG Juarez Guimarães, a secretária de Igualdade Racial da CNM/CUT, Christiane dos Santos, o companheiro Jaci Afonso da CUT Nacional, Manuel Messias, Fábio Moreira, assessor jurídico da FEM/CUT-MG e Marcelo Figueiredo, assessor do Dieese.

O objetivo da plenária foi fazer um debate aprofundado sobre a conjuntura política e econômica do Estado de Minas e do País, como forma de traçar estratégias de luta contra as medidas que prejudiquem os trabalhadores.

Além da análise da conjuntura nacional e internacional, foi tema de discussões a organização sindical dos metalúrgicos, a portaria 326 do Ministério do Trabalho, que dispõe sobre os pedidos de registro das entidades sindicais de primeiro grau no Ministério do Trabalho e Emprego, a campanha reivindicatória salarial de 2015 e o IX Congresso da CNM.

A Plenária elaborou um texto em contribuição a construção do plano de lutas que será levado para o Congresso da CNM, que será realizado de 14 a 17 de abril, em São Paulo.

Para o presidente da FEM/CUT-MG, José Wagner, o encontro dos metalúrgicos neste momento é fundamental para a organização da luta em defesa do projeto da esquerda no país. “Temos que nos preparar muito bem este ano porque nosso processo de discussão econômico do país e do Estado não é um horizonte tranquilo para nós”, disse.

Fonte: FEM/CUT-MG